na XI Espícula, a Semana de arte e cultura da Biologia, UFSC e oficina de teatro

Esse evento que ocorre todo ano, desde 2009, é puxado pelo Centro Acadêmico de Biologia (Cabio) da UFSC, ele é aberto para qualquer pessoa/grupo participar, apresentar ou ofertar oficinas.

Neste ano de 2019 o evento aconteceu em meio a muitas mobilizações estudantis que se posicionavam frente ao governo de precarização e perda de direitos de Bolsonaro. Tando que, dias depois da Espícula, ocorre uma enorme assembleia na UFSC, como conta o site da Resistência Popular Estudantil: “Na segunda-feira (02/09), a luta estudantil e sindical mobilizou a maior assembleia da história da UFSC, com a presença de cerca de cinco mil pessoas. A discussão, que tinha como previsão o foco no Programa Future-se, se tornou uma gigantesca plenária de luta que aprovou massivamente a proposta de Greve Nacional da Educação, o apoio à Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), que sofre intervenção do Governo Bolsonaro, a suspensão do vestibular enquanto o governo não devolver as verbas e a rejeição total ao Future-se” (https://rpefloripa.libertar.org/tag/future-se/ Leia o manifesto dos estudantes da UFSC contra o future-se: https://www.cartacapital.com.br/justica/estudantes-da-ufsc-publicam-manifesto-contra-o-future-se/).

Por esse contexto e pela afinidade política com as propostas do Cabio e do evento organizado por esse centro acadêmico, pensamos que essa seria uma ótima oportunidade para apresentarmos nossa peça. Além disso, nos inscrevemos para dar uma oficina, que denominamos de “Gotejando Jogos Teatrais”, a partir da experiência de algumas integrantes do grupo com uma oficina de Teatro do Oprimido ofertada na AMORABI em maio de 2019.

Mas antes disso, ao averiguarmos qual seria o melhor espaço para nossa apresentação, encontramos um muro pintado com uma faixa preta na transversal, muito parecida com a bandeira do socialismo libertário. Mas olhem que interessante, depois de nossa avaliação, o muro apareceu pintado com a outra parte da bandeira pintada de vermelho! Sim, esse era o melhor espaço para nos apresentarmos.

Oficina Gotejando Jogos Teatrais:

    Aproveitando o espaço, decidimos dar uma oficina de teatro baseada nos jogos do Teatro do Oprimido, criado pelo diretor brasileiro Augusto Boal. Estruturamos a oficina de maneira que todas as integrantes do grupo que estivessem presentes pudessem coordenar um ou dois exercícios teatrais. Esses jogos tinham, de alguma maneira, relação com o processo de criação da peça “Não pense em trabalho: crise!”, ou, pelo menos, foram práticas que já havíamos feito em nossos ensaios.

Só pra dar um gostinho, colocamos aqui a lista de jogos da maneira como pensamos a princípio. Claro, na hora, em geral são feitas adaptações e modificações. Nesta atividade participaram crianças e adultos, brincando, se divertindo e refletindo sobre questões de opressões. Foi uma tarde muito agradável e cheia de aprendizados no espaço do Centro Acadêmico de Biologia da UFSC!

 

Lista de jogos:

  1. Passa nome
  2. Mosquito
  3. Objeto
  4. Espelho
    • escolher dupla
    • um inicia o movimento, outro segue
    • pede pra pessoa que conduz passar a ser o reflexo e vice-versa
    • condução compartilhada
  5. Contrários de Jackson
  6. Cardume
  7. Máquina
  8. Blablação
  9. Dublagem
  10. Revelação

A apresentação aconteceu, porém, o número pequeno de espectadores foi algo marcante. Talvez o contexto político não tenha ajudado, pois os estudantes estavam enfocados em outras questões, talvez houve pouca divulgação, ou pouca participação dos inscritos no evento, podem ser vários fatores. Algumas integrantes do G.O.T.A. não gostaram muito da apresentação, outras disseram que não se importavam com o número de pessoas no público. Mas que bom que pudemos participar desse evento e deste momento histórico do movimento estudantil, enquanto arte e resistência.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.